Natal e suas tradições

A Quadra Natalícia foi evocada com a divulgação do poema Natal, e não Dezembro, de David Mourão Ferreira, o conto A Menina dos Fósforos, de Hans Christian Andersen, uma Árvore de Natal, apelando aos valores essenciais do ser humano e uma Exposição de Presépios.
   
                                          Natal, e não Dezembro
                                       Entremos, apressados, friorentos,
                                                    Numa gruta, no bojo de um navio,
                                                    Num presépio, num prédio, num presídio
                                                    No prédio que amanhã for demolido…
                                                    Entremos, inseguros, mas entremos.
                                                    Entremos e depressa, em qualquer sítio,
                                                    Porque esta noite chama-se Dezembro,
                                                    Porque sofremos, porque temos frio.

                                                    Entremos, dois a dois: somos duzentos,
                                                    Duzentos mil, doze milhões de nada.
                                                    Procuremos o rastro de uma casa,
                                                    A cave, a gruta, o sulco de uma nave…
                                                    Entremos, despojados, mas entremos.
                                                    De mãos dadas talvez o fogo nasça,
                                                    Talvez seja Natal e não Dezembro,
                                                    Talvez universal a consoada.

                                                             In Cancioneiro de Natal, 1986,  David Mourão Ferreira

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Concurso Nacional de Leitura – Fase Distrital

Exposição de marcadores na BE da Secundária

Estatística da BE ESOH 2012/2013